Um homem precisa viajar

por Aurélie Hillairet

Todo o mundo sabe que durante um intercâmbio, se aprende muito:  além de melhorar seus conhecimentos sobre uma língua, sobre uma cultura, se aprende também sobre si mesmo e sobre os outros. Durante esses cinco meses que passei no Brasil aprendi muitas coisas, até sobre meu próprio país e sobre meus conterrâneos.

Um dia, em uma festa, uma moça me fez a pergunta seguinte: “é verdade que os franceses não tomam banho, né?” No início não sabia se tinha entendido bem a pergunta… Depois, foi como um insulto, me perguntei se eu cheirava mal mas lembrei que ainda tinha o cabelo molhado do banho que acabara de tomar. Achei esta afirmação tão absurda que escolhi o tom da provocação para responder: “É uai*, antes de chegar no Brasil, nunca tinha tomado banho.”

A primeira vez que escutei que os franceses não tomam banho achei esta idéia ridícula mas pouco a pouco percebi que este preconceito está bastante presente no Brasil, pois a situação se repetiu várias vezes: várias pessoas fizeram a mesma pergunta a mim ou a outros amigos franceses. Foi assim também que me dei conta que por trás de alguns brasileiros, se esconde um especialista capaz de explicar por que razão os franceses têm horror do sabão e da água. Um dia, graças à explicação erudita de um amigo, entendi que se eu não tomava banho, a culpa não era minha, mas era porque durante a peste na Europa, os europeus começaram a pensar que se lavar enfraquecia o corpo e o sistema imunitário e, desde então, os europeus não se lavam. Respondi que nesta mesma época no Brasil tinha antropofagia  e perguntei ao meu amigo se um dia ele tinha comido uma outra pessoa. Muitos destes especialistas têm uma prova irrefutável para argumentar sobre este assunto: se os franceses inventaram tantos perfumes, foi para esconder o cheiro horrível que eles têm!

Um francês, Olivier Teboul,  que mora em Belo Horizonte fez um blog (http://olivierdobrasil.blogspot.fr/2013/04/curiosidades-brasileiras.html) sobre os costumes que ele acha estranhos lá. Em resposta, um brasileiro que morou três anos na França escreveu um blog (http://ariquezadeviajar.blogspot.com.br/2013/04/curiosidades-sobre-franca.html)  sobre alguns costumes dos franceses. Nele, afirma: “Muitos franceses não utilizam desodorante e também não se importam com o cheiro de sovaco dos outros” e também: “As pessoas se vestem bem na França, mas vestem a mesma roupa mais de 10 vezes sem lavar”. Senti vergonha que alguém escreva isto sobre meus conterrâneos ao mesmo tempo que achei engraçado que muitas marcas de sabão e de produtos cosméticos presentes no Brasil sejam francesas…

Talvez a conclusão seja que algumas pessoas não quiseram me ofender com estas afirmações mas quiseram rir um pouco e fazer rir a assembléia. Só que quando a mesma piada se repete, perde seu poder cómico. Outras pessoas acreditam de verdade que os franceses são sujos e não se lavam. Sendo vítima de um preconceito, tive um sentimento de injustiça. Mas me fez pensar também sobre os preconceitos que eu tenho, sobre os que possa suscitar quando falo de minha viagem, mesmo querendo não transmitir nenhum… Desde que voltei, muitas pessoas me perguntam: “Quando você estava no Brasil, foi para alguma favela?”

Como diz Amyr Klink: “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”. Oxalá as viagens possam quebrar os preconceitos…

*Uai: interjeição típica de Minas Gerais”

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Geral. ligação permanente.

Uma resposta a Um homem precisa viajar

  1. Antonio diz:

    Olá Aurélie,

    Sou o autor do segundo post, sobre a França.

    Interessante sua visão e espero que não tenha se ofendido. Acho que os brasileiros ficam um pouco chocados quando vão à Europa (talvez não seja só a França), por pequenas diferenças nesse sentido, como ser normal que uma pessoa que te venda o pão, pegue no seu pão com as mesmas mãos que pegaram o seu dinheiro logo antes, mas talvez os brasileiros sejam mais exagerados com relação à higiene por terem herdado isso dos índios, que tomavam muitos banhos por dia. Assim como imagino que os franceses fiquem chocados quando vêm favelas enormes, e tanta violência.

    O blog de vocês é muito bom. Parabéns!

    Não deixem de visitar o meu também, há muitos posts sobre a França =)

    http://ariquezadeviajar.blogspot.com/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s