Arquivos Mensais: Novembro 2013

4. “Última esperança”

por Tifany Batateiro Escolhi abrir a carta que ficou fechada durante não sei quantos anos. O papel, por acaso, estava bem conservado. Uma vez a carta nas minha mãos, fiquei um instante sem a desdobrar e sem ler o seu conteúdo. … Continuar a ler

Publicado em Literatura | Publicar um comentário

3. Quem é ele?

por Tifany Batateiro Quem nada tenta, nada consegue . Tenho de ir onde a minha mãe me quer enviar para ter respostas. Depois duma noite bem atormentada por todas as minhas questões, dirigi-me à morada que encontrei na carta que … Continuar a ler

Publicado em Literatura | Publicar um comentário

« The World Needs Nata »

por Ana Ferreira Quem não conhece o pastel de nata hoje em dia? Ninguém. A menos que tenha acordado de uma sesta de dois séculos…improvável. Quer sejam portugueses, imigrantes ou turistas, o pastel de nata já maravilhou os paladares do … Continuar a ler

Publicado em Gastronomia | Publicar um comentário

O bacalhau à portuguesa!*

por Emilie Roussel Alves Obrigado aos vikings, obrigado aos bascos que, um dia, nos mostraram o que era o lindíssimo e saboroso Bacalhau! Pois tem uma grande história e é um alimento milenar: quem são os italianos que não conhecem … Continuar a ler

Publicado em Gastronomia | Publicar um comentário

Um homem precisa viajar

por Aurélie Hillairet Todo o mundo sabe que durante um intercâmbio, se aprende muito:  além de melhorar seus conhecimentos sobre uma língua, sobre uma cultura, se aprende também sobre si mesmo e sobre os outros. Durante esses cinco meses que passei … Continuar a ler

Publicado em Geral | 1 Comentário

2. Origens…

Ao longo da existência, muita gente pergunta-se: quem sou eu? de onde venho? para onde vou? Eu tenho a oportunidade de descobrir quem sou, de onde venho, e para onde vou. Muitas perguntas se precipitam na minha cabeça. Já não … Continuar a ler

Imagem | Publicado em por | Publicar um comentário

1. Ninguém sabe…

Quando tinha 23 anos, a minha mãe morreu de repente em circunstâncias no mínimo anormais. Ninguém me queria dizer como ela morreu, nem os meus amigos, nem os médicos. Ninguém! Não compreendia nada. Porque é que me escondiam esse tipo … Continuar a ler

Publicado em Literatura | Publicar um comentário