Zé Manel

Zé Manel nasceu em Bissau, capital da Guiné-Bissau, no dia 22 de maio de 1957.
Aos 6 anos, montou um grupo de música, o Super Mama Djombo, que rapidamente começou a tocar em casamentos, batismos e festas de aniversário.

Quando a Guiné-Bissau obteve sua independência, alguns anos mais tarde, o Super Mama Djombo tornou-se um símbolo fundamental da expressão da nova identidade nacional.

No princípio dos anos 80, Zé Manel saiu do grupo que formou e logo fez seu primeiro álbum: «Tustumunhos di aonti » (testemunhos de ontem), de 1982. Neste período, a situação política da Guiné-Bissau estava numa fase problemática, fazendo de Zé Manel um alvo dos oponentes devido ao seu sucesso. 

Foi então que ele recebeu uma bolsa de estudos para estudar música clássica, ópera e piano num conservatório português. Ao terminar seus estudos, atuou em Paris durante um ano, e depois imigrou para os Estados Unidos.

Seu segundo álbum «Maron di Mar», de 2001, tocou novamente os habitantes da Guiné, fazendo de Zé Manel um personagem heróico, um símbolo de luta pela dignidade guineense. Lançou ainda: “African Citizen” (2004) e “Povo adormecido” (2006).

Zé Manel est né à Bissao, la capitale de Guinée Bissao, le 22 mai 1957.

A 6 ans, il monta un groupe de musique, le Super Mama Djombo, groupe qui commença à jouer dans les mariages, baptêmes et fêtes d’anniversaires.

Quand Guinée Bissao a obtenu son independence quelques années plus tard, le Super Mama Djombo est devenu un symbol fondamental de l’expression de la nouvelle identité nationale.

Au début des années 80, Zé Manel est sorti du groupe et a sorti son premier album solo: «Tustumunhos di aonti » (temoignages d’hier), en 1982.

A cette periode, la situation politique de Guinée Bissao était dans une phase preoblématique, faisant de Zé Manel une cible des opposants politiques dû à son succès.

C’est alors qu’il a reçu une bourse pour étudier la musique classique, l’opéra et le piano dans un conservatoire portugais. Lorsqu’il a terminé ses études, il a donné des spactacles à Paris pendant un an, puis il émigra aux Etats Unis.

Son deuxième album «Maron di Mar», en 2001, toucha à nouveau les habitants de Guinée, faisant de Zé Manel un personage héroïque, un symbole de la lutte pour la dignité de la Guinée. 

Il a aussi sorti “African Citizen” (2004) e “Povo adormecido” (2006).
por Ana Ferreira

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Artes, Musica, Retratos com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s